Música Brasileira em Decadência

Tapando os ouvidosNasci nos anos 80. Ouvi músicas maravilhosas. Fui um dos ouvintes privilegiados da época. Privilégio este que a juventude de hoje não terá, pelo menos através de algumas rádios, as mais populares.

Naquele tempo quando os jovens se apaixonavam gravavam canções que retratavam o amor, alegria, paixão, etc. Gravações essas que eram feitas em fita k7. Tínhamos o costume de gravar diretamente da rádio. Ficávamos esperando a música tocar, e quando começava corríamos até o tocador de fita para fazer a tão esperada gravação. Isso quando o locutor não começava a falar antes do final da música. Tempos maravilhosos. As letras tinham um teor humano. Os jovens se deliciavam a cada nova canção.

O mundo muda. É uma ordem natural das coisas. A cada dia, algo novo. As cidades mudam, o clima muda, as crianças crescem. Nada disso é novidade para ninguém. A tendência correta seria mudar para melhor, mas nem sempre isso acontece.

Por muitos anos fiquei sem ouvir rádio. Ultimamente devido ao meu trabalho tenho ouvido muito. Fiquei de boca aberta ao escutar algumas canções através dessas emissoras. Letras que nem duplo sentido mais tem. Agora se canta na “lata” mesmo. O besteirol é falado diretamente.

Há quem critique o Rock, o Heavy Metal, o Jazz, o Blues, etc. Dizem que são músicas do demônio. Será?

Vou dar um exemplo de uma música no estilo Heavy Metal de nome “Heavy Metal”, da banda Judas Priest.

 

“Quando os acordes do poder descem arregaçando com tudo,

Eles rasgam os meus sentidos

Isso é para os fortes, não para os fracos

Nas dimensões da luz e da escuridão…”

Agora uma das sensações das paradas se chama “Ela quer piru”.

“An an an an , olha só o que essa mina quer, que treeeeeta.

Ela falou que queria eu, ela falou que queria tu,

Ela falou que queria eu, ela falou que queria tu,

Ela falou que queria eu, ela falou que queria tu,

O que que ela quer, Catra?

Ela quer piru”.”

Sabe o que é pior? Vejo crianças de oito, dez, doze anos cantando e dançando isso. Gente, é lamentável demais músicas com teor sexual dessa magnitude serem encaradas com tanta naturalidade. É triste demais.

Outros vão criticar a primeira letra acima dizendo que “é música do capeta”. Preste atenção e compare ambas e imagine sua filha dançando. Qual você escolheria? Eu optaria pela primeira. Jamais iria querer minha filha rebolando no pirú.

Já ouço gente falando: “Nossa, quanto conservadorismo, hein?”. Sim. Muito. Mas convenhamos que as letras de músicas têm piorado e instigado o sexo sem escrúpulo nos jovens.

Os pais devem policiar seus filhos sim em relação às músicas que estão ouvindo. Não precisa ouvir Marisa Monte, Tom Jobin e nem Ney Mato Grosso. Seria ótimo a geração de hoje estar ouvindo esse tipo de música, que tem história. Empurrar um estilo assim goela abaixo seria forçado demais. Porém evitar músicas “porcas”, isso sim tem jeito.

Em resumo, só estou preocupado com a geração do futuro e esse é o meu objetivo, fazer com que os jovens de hoje não fiquem se iludindo com esse tipo de música. Vocês são o futuro do mundo e precisam absorver coisas que realmente vão lhes trazer benefício para fazer o mundo de hoje um lugar melhor para se viver.

Paz e vida longa a todos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *